terça-feira, 27 de setembro de 2011

Quando devemos procurar um psicológo

Ao longo da vida, o percurso de cada um de nós apresenta diferentes fases e etapas. Umas, mais que outras, tornam-se difíceis de contornar de forma individual. Quando as situações são vivênciadas de maneira menos simples, ou se se agrupam num conjunto de barreiras, muitas vezes, estas parecem intransponíveis.
Também em grandes desafios, que nos põem à prova, em termos de opções, de rumos a seguir, de caminhos a tomar, nem sempre é evidente resolver.
Quando aparentemente nada mudou à nossa volta, não aconteceu nada e ainda assim, sem percebermos porquê nos sentimos tão diferentes e esse sentimento se torna deveras desagradável e doloroso, pomo-nos em causa.
O auto-conhecimento, na procura de descobrir potencialidades inscritas em nós mesmos é também uma das principais razões e benefícios da psicoterapia.
Por todas estas razões e muitas mais, o acompanhamento psicológico, bem como a avaliação psicológica e encaminhamento, surgem naturalmente como a via a seguir, que nos leve ao bem-estar e segurança necessários.

Mas quem pode recorrer às consultas de Psicologia?

Todas as pessoas podem recorrer ao psicólogo: crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos. O que varia são os motivos que levam cada uma das pessoas a procurar este serviço.


Quando algumas etapas não são superadas podem surgir sintomas tais como:


* Depressão
– sentimento prolongado de tristeza com perda de interesse pelas actividades que anteriormente lhe eram agradáveis. Pouca energia e cansaço fácil, bem como tendência a avaliar negativamente qualquer situação
* Problemas de sono – não consegue dormir ou tem grandes dificuldades em fazê-lo ou ainda, por outro lado tem sonolência excessiva, pesadelos ou terrores nocturnos frequentes
* Distúrbios alimentares – recusam comer ou comem em excesso, estando a eles associados a anorexia, bulimia, desnutrição e obesidade
* Isolamento social – começam a evitar estar com outras pessoas, ou em ocasiões sociais
* Fobias – medo excessivo e incontrolável de algo
* Ansiedade – sentimento de nervosismo constante e até, por vezes, crises de pânico sem motivo aparente
* Alterações de comportamento – mudanças mais ou menos súbitas de humor, podendo nalgumas alturas aparentar felicidade e tendo uma crise de choro ou de irritabilidade no momento seguinte
* Outros

Nestas circunstâncias muitos procuram apoio nos amigos e familiares, professores, colegas de escola ou de trabalho e médicos de várias especialidades. Raramente se dirigem aos Psicólogos por desconhecimento do real alcance e eficácia das psicoterapias, ou porque ainda existe a crença errada de que só vai ao psicólogo quem está louco. Para além da importância dos amigos, família, outros profissionais de saúde e restante ambiente social do indivíduo que precisa de ajuda, o papel do psicólogo é fundamental para criar no mesmo, mecanismos e estratégias que o habilitem a enfrentar de forma eficaz novos desafios.
Quando se recorre ao Psicólogo inicia-se um processo de reabilitação baseado no indivíduo. Adoptam-se medidas que produzem alívio dos sintomas, e simultaneamente trabalha-se a causa dos mesmos, conduzindo ao fortalecimento psico-emocional, que resultam no bem-estar psicológico e físico da pessoa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arte nada mais é, do que reciclar e soltar a imaginação.

Berço para bonecas

Reciclado de rolo de papel